Mau tempo eleva número de sinistros nos seguros residencial e auto

Apenas no mês de outubro, chuvas e ventos fortes ocasionaram a queda de mais de 300 árvores em várias cidades do País. Nos Estados de Minas Gerais, Paraná e São Paulo, ventos acima de 70 km/h resultaram em destelhamentos e derrubaram árvores que atingiram veículos e imóveis residenciais e comerciais. O granizo e os alagamentos são outros problemas que enfrentam os moradores e motoristas que trafegam por essas regiões. Muitos deles têm dúvidas sobre o que o seguro residencial e o auto cobrem nessas situações.

Coberturas

A contratação da cobertura que garante eventuais danos em decorrência de fenômenos da natureza como vendavais, furacões, tornados, ciclones ou granizo é cada vez mais comum nessas duas modalidades de seguro. Mais de 70% das apólices residenciais e empresariais da Sompo, por exemplo, contam com coberturas opcionais contra vendaval, furacão, ciclone, tornado e granizo.

“Primavera e verão são duas estações em que a incidência de chuvas fortes e ventanias aumentam bastante. Há de se ter um contingenciamento para atender eventuais ocorrências com celeridade”, considera Andreia Paterniani, diretora de Sinistros da Sompo Seguros.

Já no seguro de automóvel, a contratação da cobertura compreensiva tem por objetivo indenizar o segurado dos prejuízos que o veículo venha sofrer em decorrência de colisão, incêndio e roubo. Ela abrange também os danos provocados pela queda acidental de agente externo que não faça parte integrante do veículo ou não esteja nele afixado, além dos danos decorrentes de granizo, furacão e terremoto.

“Haverá cobertura desde que ocorra a queda acidental sobre o veículo, de qualquer agente externo que não seja parte integrante deste ou não esteja nele afixado (fixo, firme, em caráter permanente), ou atrelado (engatado)”, explica Marcelo Moura, diretor de Automóvel da HDI Seguros. Segundo ele, os danos mais comuns nos veículos em caso de alagamento são o calço hidráulico, o curto circuito na parte elétrica e a deterioração do estofamento devido à enchente. “Já nos casos de granizo ou queda de árvores os danos ocorrem na pintura, na lataria e também nos vidros”.

É importante destacar que o segurado perde o direito a indenização caso trafegue por estradas não autorizadas, caminhos impedidos, não abertos ao tráfego ou em areias fofas ou movediças, bem como por praias e regiões ribeirinhas. Não há indenização, por exemplo, se tentar, intencionalmente, atravessar um rio em seu leito.

“Não dirija em áreas inundadas, vá sempre para um lugar seco. Se a água começar a tomar a rua, abandone o carro com segurança e siga para lugares altos e secos. Permanecer no veículo implica no risco de o motorista e seu carro serem levados pela enxurrada”, continua Moura. “Dez centímetros de profundidade já são suficientes para a água chegar ao assoalho do veículo, causando perda de controle se o carro estiver em movimento. Isso pode ainda danificar o veículo, fazendo-o ‘morrer’. Na dúvida, não arrisque”, conclui o executivo

Prevenção

Para minimizar os riscos de danos em virtudes de chuvas e rajadas de ventos, vale observar algumas dicas básicas:

Em casa:

  • Mantenha a limpeza e a manutenção dos telhados em dia;
  • Desobstrua as calhas;
  • Mantenha limpos os ralos, esgotos, galerias, valas etc;
  • Retire entulhos dos quintais;
  • Providencie a poda ou corte de árvores com risco de queda nos limites da propriedade do imóvel;
  • Reforce (ou escore) muros e paredes pouco confiáveis.

No carro:

  • Caso a previsão do tempo indicar chuvas e rajadas de vento, não estacione o veículo embaixo de árvores ou placas publicitárias (outdoors) ou próximo a muros;
  • Procure estacionar o carro em locais com estrutura sólida e robusta;
  • Caso seja possível, estacione em locais elevados. Assim, você evita que o veículo seja atingido, caso ocorra um alagamento;
  • Caso esteja dirigindo, mantenha as duas mãos ao volante, a distância do veículo a frente, reduza a velocidade e ligue faróis do carro.
  • Não dirija em áreas inundadas. Cerca de 50 centímetros de profundidade de água (altura dos joelhos) são suficientes para fazer um carro flutuar. Um metro de profundidade de água (altura do umbigo) é o suficiente para levar a maioria dos veículos, inclusive caminhonetes e utilitários esportivos.

Santa Catarina tem mais de 9.500 carros roubados até setembro – leia dicas para se proteger

Levantamento feito pela NSC TV aponta que até setembro de 2018 mais de 9.500 carros foram roubados ou furtados em nosso estado. Para evitar este tipo de situação traumática e ainda incorrer em perdas financeiras, com o desaparecimento do veículo, separamos as dicas abaixo para você se manter sempre protegido.

1 – Procure sempre estacionar seu veículo em estacionamentos pagos;

2 – Ao se preparar para entrar e sair da sua garagem, procure sempre prestar atenção nas redondezas para pessoas estranhas a sua vizinhança;

3 – Caso seu carro não possua, instale um sistema de alarme com corte de ignição;

4 – Para carros de valor elevado, é sempre interessante  considerar a instalação de sistemas de rastreamento;

5 – Cuidado redobrado em cruzamos à noite e paradas para atender telefonemas.

Adotando estas medidas no seu dia-a-dia, você reduzirá muito a chance de ter seu carro furtado. Mas sempre é bom contar com o seguro automóvel em dia para ter proteção adicional para roubo e furto, como para outras situações, como acidentes e panes.

Neste link está a matéria completa sobre o estudo de roubo e furtos de veículos no estado.

Caso você ainda não esteja protegido com seguro auto, contate-nos que poderemos lhe auxiliar na melhor contratação de seguro para seu carro: atendimento@braviacorretora.com.br ou (47) 3041-9621.

Previdência privada – o jeito certo de se aposentar com qualidade de vida

O sistema de previdência social foi pensado para dar garantias mínimas de vida às pessoas quando se aposentam. Assim, a possibilidade de renda futura que pode proporcionar ao segurado é limitada por um teto, que hoje é de R$5.645,80, desde que se contribua pelo teto – Grande parte da população contribui de maneira que receberá dois salários mínimos (R$1.908,00). Para quem pretende complementar a aposentadoria do INSS com uma renda extra, uma das opções é fazer um plano de previdência privada.

O principal atrativo da previdência privada é a possibilidade de pagar menos imposto para acumular um valor maior no futuro. Existem dois tipos de planos de previdência privada: o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL).

O benefício fiscal dos planos do tipo PGBL se dá por meio da dedução anual do valor investido no plano de previdência, até o limite de 12% da renda bruta anual. Mas para fazer a dedução, é preciso fazer a declaração completa do Imposto de Renda, em vez da versão simplificada, que dá direito a desconto padrão de 20%.

Já para quem faz a declaração do IR de forma simplificada ou recebe dividendos e outros rendimentos não tributáveis, o tipo de previdência privada mais adequado é o VGBL. Neste caso, a pessoa não pode descontar o valor investido do IR anualmente, mas também só pagará tributos sobre o rendimento da aplicação em previdência privada, em vez de sobre o valor total, como acontece com o PGBL. A cobrança de imposto se dá apenas no momento do resgate do plano.

Para quem faz um plano de previdência pensando em deixar os recursos para os descendentes ou cônjuges após a morte, o VGBL é a opção indicada porque apenas a rentabilidade será tributada pelo IR. Assim, o beneficiário receberá um montante maior do que se a aplicação for um plano de previdência do tipo PGBL, em que o IR será cobrado sobre todo o valor do plano.

Definir o valor que será destinado à previdência privada periodicamente é um ponto crítico para se fazer um bom plano. É preciso definir uma idade para se aposentar; projetar a necessidade de renda mensal nessa fase da vida; estimar quantos anos vai viver; quantos anos de aportes; estimar uma rentabilidade e então chegar ao valor que deverá ser comprometido mensalmente para alcançar o objetivo.

Em geral, um aposentado consegue manter o mesmo padrão de vida se receber 70% da renda atual, já tendo adquirido casa própria e criado os filhos.

No entanto, o fator mais importante é o tempo de contribuição. Para um investidor de 20 anos receber um salário igual ao que recebe hoje quando tiver 60 anos, terá de guardar 10% do salário. Então, o quanto antes começar a previdência, melhor.

Ganhe descontos no seguro automóvel baixando os aplicativos das seguradoras

Já é possível economizar no seu seguro automóvel usando seu smartphone. Isso porque várias seguradoras já estão disponibilizando aplicativos de telemetria que analisam vários aspectos de sua maneira de dirigir, como: velocidade, acelerações e freadas bruscas, horários em que usa o carro e trajetos mais utilizados.

O intuito com essa análise é para que o segurado pague pelo preço justo alinhado ao seu perfil de direção. Dependendo do perfil, os descontos podem chegar até 30%. Alguns aplicativos como o Trânsito + Gentil da Porto Seguro, Direção em Conta da Liberty Seguros e Sul América Auto.vc já estão disponíveis para baixar em ambientes IOS e Android.

Baixe agora mesmo e aproveite eventuais descontos!

Apenas 25% das pessoas jurídicas no país têm o seguro contra incêndio

Embora a contratação do seguro incêndio tenha previsão legal, apenas 25% das pessoas jurídicas no país têm o seguro.

O que muitos comerciantes e empresários não sabem, é que o Decreto – Lei 73/66, que regulamenta as operações de seguros e resseguros no Brasil, tornou obrigatório (em seu artigo 20, alínea H), o seguro incêndio para os bens de pessoas jurídicas, ou seja, todas as edificações para fins comerciais, industriais ou de serviços precisam contar com uma apólice que tenha pelo menos a cobertura básica contra incêndio contratada.

Caso o seguro não seja feito, atualmente, de acordo com o disposto no artigo 112 do Decreto-Lei 73/66, as multas podem chegar a 10% do valor do interesse segurável, o que pode ser um número bastante expressivo.

As apólices hoje são compreensivas e podem ter outras coberturas adicionadas para que a proteção seja mais abrangente em relação a outros riscos como: vendaval, danos elétricos, responsabilidade civil, entre outro.

Entre em contato conosco e faça sua cotação com nossa equipe de especialistas.

Veja casos em que as seguradoras podem negar a indenização no seguro automóvel

Seguro automóvel

Muitas pessoas não sabem, mas no seguro automóvel, dependendo do fato gerador do acidente em que ocorre colisão com perdas materiais ou corporais, a seguradora pode se negar a pagar indenização.

Os casos mais habituais e conhecidos são a identificação de que o condutor estava embriagado ou sob efeito de drogas no momento da colisão, entregar o veículo para um condutor sem habilitação ou participar de “rachas” ou “pegas” em vias públicas. Porém, se em Boletim de Ocorrência forem identificados imperícia, imprudência ou negligência do condutor, também poderá levar à perda de indenização por parte das seguradoras.

Alguns exemplos seguem nos vídeos abaixo, divulgados em rede nacional, que ilustram casos em que uma seguradora poderia negar a indenização com o consequente desembolso e reparação de danos por parte do segurado.

Vídeo 1 – 5 minutos

Vídeo 2 – 3 minutos

Na dúvida, procure sempre respeitar as leis de trânsito e as sinalizações em sua volta, além é claro, de obedecer aos limites de velocidade da via e dirigir sem ter consumido bebidas alcoólicas.

Na dúvida, conte conosco através dos canais: 47 3041-9621 e atendimento@braviacorretora.com.br

Reforma trabalhista permite utilização de seguro garantia judicial para depósitos recursais

Entra em vigor (11 de novembro) a reforma trabalhista (Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017), que modifica a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), trazendo novidades sobre a aceitação do Seguro Garantia Judicial em processos trabalhistas. O seguro passa a ser expressamente previsto nos artigos 882 e 899 da CLT, pacificando a aceitação da modalidade na esfera judicial. A nova lei reafirma a validade e utilização do instrumento, sendo mais um marco legal na trajetória do seguro garantia judicial.

A grande novidade da lei refere-se à possibilidade de utilização do seguro como garantia em depósitos recursais. Antes, ao entrar com um recurso depois de uma decisão desfavorável, as empresas precisavam fazer depósitos em dinheiro para garantir a admissibilidade do pedido perante os tribunais. Os custos desses depósitos são fixos, tabelados pelo próprio Tribunal Superior do Trabalho – TST.

Atualmente, os custos desses depósitos são fixados em R$ 9.189 para a interposição de recurso ordinário e em R$ 18.378 para recursos direcionados aos tribunais superiores. Em muitos casos, é necessário realizar múltiplos depósitos em uma única ação. Se a empresa quiser entrar com recurso diante de uma decisão desfavorável, ela precisa fazer o depósito, que permanecerá vigente pelo tempo que perdurar a discussão judicial.

As empresas gastam milhões de reais para terem suas decisões judiciais revisadas pelos tribunais. Apesar do valor parecer pequeno, o impacto de sua somatória no médio e longo prazo pode ser financeiramente grande. Portanto, o Seguro Garantia Judicial vai simplificar, agilizar e principalmente desonerar os depósitos recursais que têm que ser oferecidos pelas empresas. Atualmente, as apólices são emitidas de forma eletrônica, em até 48 horas.

Dessa forma, a seguradora oferece ao Tribunal a garantia de que o valor do depósito recursal será integralizado na condenação. Se a empresa não cumprir a determinação judicial, a seguradora é acionada para efetuar o pagamento.

Para maiores informações acerca do seguro garantia, entre em contato: 47 3041-9621 e atendimento@braviacorretora.com.br

Contrate o seguro viagem e tenha férias mais tranquilas!

Antes de viajar neste final de ano, é importante contratar o seguro viagem. Só ele lhe dará a proteção necessária naquela viagem para praia ou até mesmo ao exterior.

Por isso, listamos aqui alguns benefícios para garantir que sua viagem tenha somente recordações boas:

  • Despesas médicas e hospitalares em caso de doenças ou acidentes – Mesmo em viagens nacionais, o seguro viagem pode ser a única solução, principalmente se o seu plano de saúde não possui abrangência em todo o país. Ainda que seu convênio ofereça atendimento em outros estados, você ficará preso a uma rede conveniada, que muitas vezes é restrita e demanda grandes deslocamentos.
  • Repatriação médica;
  • Assistência funerária e traslado de corpo;
  • Extravio de bagagens – para a indenização nos casos em que as bagagens não sejam entregues pelo transportador aéreo, rodoviário ou naval;
  • Perda de documentos – Nesses casos, o seguro pode garantir uma compensação para que você possa resolver seu problema. Geralmente inclui passaporte, PID e outros documentos de identificação;
  • Assistência jurídica;
  • Reembolso em caso de interrupção ou cancelamento da viagem – Nestes casos, você poderá perder muito dinheiro se não tiver um seguro viagem, já que muitos serviços são pagos antecipadamente e não há devolução do montante investido. Com o seguro, você irá recuperar parte ou a totalidade desse dinheiro, dependendo da apólice contratada.

 

Para maiores informações, conte conosco no telefone 47 3041-9621 ou pelo e-mail atendimento@braviacorretora.com.br

 

Reduzir rotatividade, veja como o seguro de vida em grupo pode ajudar.

Vida grupo

É sabido que empresas com mais benefícios, tem um maior grau de retenção de talentos, reduzindo a rotatividade e trazendo mais bem-estar para os colaboradores de maneira geral.
Não é fácil desenhar um bom pacote de benefícios, até porque, existem diferentes níveis de cargos dentro da organização, que demandam uma série de benefícios diferentes entre si.
Entre eles, os quais são comuns para todos os níveis, podemos citar o seguro saúde e o seguro de vida em grupo. Aqui, vamos listar os principais benefícios que a empresa terá ao contratar o seguro de vida em grupo para seus colaboradores:
• Atração e retenção de talentos pela proteção da renda da família no caso de um colaborador falecer ou ficar inválido;
• Pode-se contratar coberturas para serem utilizadas em vida, para invalidez por acidente ou por doença, ou ainda, para doenças graves, a fim de prover um melhor tratamento médico para o colaborador;
• Indenizações não precisam ser pagas com o caixa da empresa;
• Evita multas sindicais, principalmente em casos em que existe convenção coletiva que exige o seguro;
• Previne e atenua ações trabalhistas
• Pode-se prever um valor para indenização também da empresa, no caso de falecimento do colaborador, onde a empresa pode utilizar na rescisão ou contratação de um novo colaborador.
• Assistência 24h para que, em caso de funeral, a família/empresa não precise se preocupar com os trâmites e tudo seja feito pela seguradora, garantindo mais tranquilidade neste momento.

Se você precisar de apoio na contratação desta cobertura ou outras que possam beneficiar sua empresa, entre em contato conosco: atendimento@braviacorretora.com.br / 47 3041-9621.

Fiança Bancária? Com Seguro Garantia você atende seus contratos com um custo muito menor.

serv-garantiaO seguro garantia hoje é bastante ignorado pelas empresas que precisam, de alguma forma, por força contratual, dar as devidas garantias lá assumidas. Muitas empresas, seja por relacionamento ou desconhecimento, sempre que precisam se dirigem ao seu banco e usam a Fiança Bancária, que além de corroer o limite da empresa nas linhas de crédito, ainda é muito mais caro.

O Seguro Garantia é um tipo de seguro destinado aos órgãos públicos e às empresas privadas com o objetivo de garantir o fiel cumprimento das obrigações contratuais estipuladas pelas partes, conforme descrito no contrato firmado e na apólice. Quando se trata de órgãos públicos, o Seguro Garantia é usado em garantias de manutenção de oferta (licitação) e do cumprimento dos contratos. Já nas empresas privadas encontramos o seguro em relações contratuais feitas com terceiros que desejam diminuir ou anular o risco por descumprimento com seus fornecedores, prestadores de serviços, entre outros. Este seguro é bastante utilizado também por empresas que discutem valores a pagar no âmbito de trâmites dos processos judiciais, como por exemplo, valores que estão congelados pela justiça para pagamentos de terceiros, impostos, etc.

Lembrando que o seguro garantia tem como principais características:

  • Custo mais baixo em relação à Fiança Bancária;
  • É de rápida obtenção;
  • Não toma limites de crédito junto aos bancos e não vincula capital de giro;
  • O prazo de vigência da apólice acompanha o do contrato;
  • O risco é pulverizado em razão do processo de resseguro.

Se você se interessou e quer saber mais sobre como trazer economia na contratação de garantias para seus acordos, fale conosco pelo e-mail: atendimento@braviacorretora.com.br ou pelo telefone (47) 3041-9621.